Stefan Bellof, um jovem piloto alemão de apenas 27 anos, era visto como uma grande promessa no automobilismo mundial. Ele havia se destacado em diversas categorias, incluindo a Fórmula 1, onde havia conquistado um pódio correndo pela equipe Tyrrell.

Entretanto, em 1º de setembro de 1985, durante uma corrida de carros esportivos em Nürburgring, Bellof sofreu um trágico acidente que tirou sua vida instantaneamente. O acidente ocorreu na curva Pflanzgarten, uma das mais velozes e perigosas do circuito, quando o carro do piloto colidiu com o de Jacky Ickx.

Segundo relatos de testemunhas, o carro de Bellof estava a uma velocidade de cerca de 230 km/h quando ocorreu a colisão. A força do impacto foi tão grande que o carro saltou por cima das barreiras de proteção e se chocou contra uma torre de comunicações, ficando completamente destruído.

O acidente chocou o mundo do automobilismo e gerou uma série de discussões sobre a segurança nas corridas. Na época, a pista de Nürburgring ainda não contava com barreiras de proteção em todo o percurso, e muitos pilotos afirmavam que era um circuito muito perigoso.

Após o acidente de Bellof, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) impôs medidas mais rigorosas de segurança, incluindo a obrigatoriedade do uso de capacetes resistentes a impactos e do sistema de proteção do cockpit, além da implementação de barreiras de proteção em todo o circuito.

Stefan Bellof ficou conhecido como um piloto corajoso e talentoso, que deixou um legado para o automobilismo. Seu trágico acidente serviu para alertar sobre a importância de medidas de segurança nas corridas, para evitar que outras vidas sejam perdidas nas pistas.